Pastor deve ser novo presidente da Comissão dos Direitos Humanos

Deputados da bancada evangélica lançaram um pastor como candidato avulso para comandar a Comissão de Direitos Humanos da Câmara e gerou impasse para as eleições no grupo. A sessão de eleição para presidente foi adiada para a próxima semana.

Após acordo firmado entre todas lideranças da Casa de ontem (3), o PT conquistou a prerrogativa de escolher o comando da comissão e indicou o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) para o cargo. O acordo levou em conta o tamanho das bancadas na Câmara e os nomes recomendados pelos partidos precisam ser aprovados pelas comissões em eleição entre os membros.

No entanto, o deputado Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ) se lançou como candidato avulso e obteve o apoio de diversos parlamentares conhecidos pelas suas posições conservadoras, como Jair Bolsonaro (PP-RJ) e o Pastor Marco Feliciano (PSC-SP).

"Por que só a esquerda se arvora a dizer que representa os direitos humanos?", perguntou.

Diante do impasse o deputado Assis do Couto (PT-PR), que presidia os trabalhos do grupo, indeferiu a candidatura avulsa sob o argumento de que deveria ser respeitado o acordo entre os partidos.

"Indefiro a candidatura avulsa, respeitando a indicação oficial que é tirada com base na proporcionalidade", afirmou Couto.

A bancada evangélica e apoiadores de Sóstenes protestaram e Couto suspendeu a sessão por quase meia hora para que os partidos chegasse a um acordo. Sem consenso, foi convocada uma nova sessão para a próxima quarta-feira (11) para realizar a eleição.

Na manhã de hoje, alguns dos membros que tendiam a votar no candidato petistas foram retirados da comissão. Os deputados Jean Wyllys (PSOL-RJ) e Professora Dorinha (DEM-TO) que ocupavam vagas cedidas por outros membros do grupo foram destituídos de seus cargos minutos antes do início da sessão.

O PSC presidiu a comissão durante 2013 sob a conturbada gestão do pastor deputado Marco Feliciano (PSC-SP). A presidência nas mãos do PSC foi marcada por protestos de representantes de entidades que defendem os direitos humanos.

Sóstenes é apadrinhado político do pastor Silas Malafaia e está em seu primeiro mandato como deputado federal. O deputado, que é pastor da Assembleia de Deus de Jacarepaguá, bairro do Rio de Janeiro, disse "desconhecer" o acordo entre os partidos para definição da presidência do colegiado.

Deixe sua opinião abaixo:
Share on Google Plus

About correio gospel

0 comentários:

Postar um comentário