Depressão na adolescência não é frescura; conheça 11 sinais

Já está em fase de teste um exame laboratorial para diagnosticar a depressão. O recurso será especialmente útil para constatar a doença em adolescentes que, algumas vezes, não têm os sintomas levados a sério pela família, porque os sinais que dão são confundidos com alterações de comportamento comuns nessa fase.
"A ausência de comprovação do diagnóstico por meio de um exame laboratorial faz com que muita gente não entenda a depressão como uma doença do cérebro", diz o psiquiatra Miguel Angelo Boarati, coordenador do Programa de Transtornos Afetivos na Infância e Adolescência do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo). "Por desconhecimento ou preconceito, as pessoas julgam que jovens deprimidos têm falta de vontade de melhorar ou não querem reagir."
A descoberta de um exame capaz de diagnosticar a depressão foi anunciada em setembro de 2014 por um grupo de pesquisadores da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos. Segundo o estudo, publicado no periódico especializado "Translational Psychiatry", é possível identificar a doença por meio de marcadores biológicos encontrados no sangue. Foram examinados 64 voluntários e os resultados foram promissores. Agora, os autores se preparam para uma segunda fase de testes: a ideia é validar o achado com uma população maior de pacientes.
Muitos portadores de depressão enfrentam preconceito dentro da própria família, segundo Silvana Martani, psicóloga do Hospital Beneficência Portuguesa, em São Paulo, e organizadora do livro "Manual Teen" (Editora Wak). "É muito comum que o adolescente deprimido ouça frases do tipo: 'você está chorando de barriga cheia' ou 'você não tem problemas, não tem motivos para estar triste'", fala a especialista.
Vários comportamentos relacionados à depressão podem ocorrer em algum momento da adolescência. Por isso, os especialistas esclarecem que é preciso considerar a intensidade e a frequência desses sinais e analisá-los dentro de um contexto mais amplo, avaliando o estado geral do adolescente. Saiba mais sobre eles a seguir.
1 - Humor depressivo
O adolescente parece não sentir alegria ou prazer de viver. Mostra-se melancólico, entediado, indisposto e sem esperança. Tem baixa autoestima e pode apresentar crises de choro sem razão aparente.
2 – Apatia
Às vezes, é confundida com preguiça. O adolescente demonstra falta de energia, cansaço frequente e perda de interesse por atividades que antes eram prazerosas.
3 - Isolamento social
Os adolescentes deprimidos tendem a se isolar de amigos e familiares.
4 - Irritabilidade e instabilidade
Mau humor, descontrole emocional e explosões de raiva podem fazer parte do quadro depressivo.
5 - Alteração do ritmo de sono
O adolescente pode dormir mais ou menos do que de costume. Também são comuns episódios de insônia.
6 - Alteração no apetite
Perder a vontade de comer é o mais frequente, mas pode haver, também, aumento de apetite, sobretudo por alimentos doces. Perda ou ganho de peso significativo em pouco tempo podem estar associados.
7 - Dificuldade de concentração
Frequentemente está associada à queda no rendimento escolar. Em alguns casos, o jovem depressivo abandona os estudos.
8 - Uso de drogas
Muitas vezes, resultante de tentativas de automedicação para alívio do sofrimento causado pela doença.
9 – Automutilação
Em situações de extremo sofrimento, alguns adolescentes podem adotar um comportamento autodestrutivo, cortando-se ou queimando-se. Provocar dor física é uma forma de tentar tirar o foco da dor emocional.
10 - Comportamento de risco
O flerte com o perigo pode ser uma forma de combater a apatia. Andar distraidamente no meio de avenidas movimentadas, praticar esportes radicais sem cuidados de segurança ou mesmo fazer sexo sem proteção podem ser formas de buscar emoções fortes.
11 - Pensamentos suicidas
São comuns ideias mórbidas e tentativas de suicídio.

Fonte: www.uol.com.br
Share on Google Plus

About correio gospel

0 comentários:

Postar um comentário