Grupo anti-Dilma só permite cristãos na liderança do movimento

O grupo Revoltados Online é um dos vários movimentos que pedem a saída de Dilma Rousseff da presidência do Brasil. Para se tornar um dos líderes desse grupo é preciso ter três requisitos: desejar a saída da presidente; não ter filiação partidária e ser cristão.

“Nunca vou colocar um ateu dentro do Revoltados Online. Afinal, por que eu daria uma função importante para uma pessoa que não acredita no que acredito?”, questiona Marcello Reis em entrevista ao iG.

Reis é o líder do grupo que tem centenas de milhares de seguidores nas redes sociais, juntamente com os grupos Vem Pra Rua e Movimento Brasil Livre eles organizam protestos como o que aconteceu no dia 15 de março que atraiu pelo menos dois milhões de pessoas em diversas cidades do país.

Fundado em 2004, o Revoltados Online tem sede na capital paulista e segue o lema: “juntos, somos mais fortes, e com Deus na nossa frente, somos imbatíveis”. Além do lema, a posição cristã do grupo também aparece nos protestos, quando o próprio líder inicia a oração do Pai Nosso.

“Não estamos preocupados se o budista ou seguidores de outras religiões que estarão nos protestos rezarão o ‘Pai Nosso’. Ninguém é obrigado a seguir nossa fé. Mas nós servimos a Deus e se a pessoa que está lá não o segue não sei o que ela está fazendo no nosso protesto”, disse Reis.

Mas isso não quer dizer que os não cristãos ou não religiosos não podem participar dos atos contra a presidente Dilma.

“Aceitamos todos os cristãos: católicos, evangélicos, espíritas. Deus é um só. Eu mesmo não sou religioso. Fico até preocupado com os títulos de cada vertente, que chegam a parecer partidos políticos. Mas acredito que, se você servir a Deus, seguir a Deus, amar a Deus, você se vira com Deus. Não acho que se eu for a uma igreja ‘x’ serei mais abençoado do que na ‘y’. Se eu mantiver o caráter e os passos limpos, dobrando o meu joelho e praticando minha fé, dormirei tranquilo.”
Share on Google Plus

About correio gospel

0 comentários:

Postar um comentário