Sem vagas abertas, empresas continuam buscando talentos


As previsões para o emprego neste ano permanecem ruins na maior parte do país. Mais de 80 000 vagas foram fechadas entre janeiro e abril, e 84,4% das indústrias de São Paulo não têm planos de contratar neste primeiro semestre, segundo a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo.
Isso não significa que as empresas estejam paradas na pesquisa de candidatos. Uma prática de head­hunters antes restrita a altos executivos — a de sondar profissionais, sem compromisso — começa a se estender a níveis mais baixos da hierarquia. Trata-se de um flerte que pode virar namoro no futuro. “Deixo claro que não há uma vaga aberta”, afirma Gabriel Frank, diretor de RH do Groupon para a América Latina. “Digo à pessoa que ouvi bastante sobre seu trabalho e que isso motivou o encontro.”
APAQUERA profissional permite aos dois lados se conhecer e verificar se há alinhamento de interesses. Quando uma vaga surge, a chance de contratação daquele profissional aumenta. “Se gostamos da pessoa, ela fica em nosso radar pelos próximos seis a 18 meses”, diz Daniela Sicoli, gerente de recrutamento da Microsoft no Brasil. Confira o que fazer se receber um convite desses  Troca de olhares
A primeira mensagem ou ligação pode ocorrer a qualquer momento do dia. A abordagem é semelhante àquela feita quando há um candidato em vista para uma vaga em aberto. “Em geral, marcamos esses encontros com profissionais de que já ouvimos falar, por indicação”, afirma Gabriel Frank, diretor de RH do Groupon para a América Latina. “Pessoas com alguma especialização ou funcionários de empresas semelhantes também são observados”, diz ele. 
COMO AGIR
A postura de um profissional na ligação ou na resposta ao e-mail ou mensagem reflete quem ele é. “É nesse primeiro contato que tiramos as primeiras impressões sobre o profissional”, afirma Bernardo Cavour, headhunter da Flow Executive Finders. Seja educado e, se não puder falar no momento, retorne a ligação com um pedido de desculpas.
É importante perguntar onde o recrutador encontrou seu contato e por que gostaria de conversar. Não crie expectativas. Em princípio, o encontro é apenas para networking sem compromisso. Se realmente não estiver interessado na possibilidade de trocar de emprego, recuse o convite. Não vale a pena perder seu tempo e fazer o recrutador perder o dele. 
O primeiro encontro
Como não há vaga em jogo, é comum que esses encontros ocorram fora das dependências da empresa, num café da manhã ou almoço. “É o cenário ideal para entender qual é o momento da pessoa e se ela está buscando um novo desafio”, afirma Gabriel. Fora do escritório, a tendência é que o possível candidato se solte mais, já que não existe a tensão de uma entrevista formal, dando ao profissional de RH a possibilidade de ler nas entrelinhas se realmente há afinidade entre aquele executivo e a empresa. “Mas esse primeiro encontro também poderá acontecer por vídeo se as agendas estiverem muito complicadas”, diz Daniela Sicoli, da Microsoft. 
COMO AGIR
Como nos encontros amorosos, em entrevista de emprego não se fala mal do ex, seja ele o chefe ou a empresa. Aproveite para falar de seus projetos e do que você espera para sua carreira. No atual emprego, mantenha a discrição. “O chefe pode não gostar de saber que você está aberto a propostas”, diz Sofia Esteves, da consultoria de recursos humanos DMRH, de São Paulo.
Share on Google Plus

About correio gospel

0 comentários:

Postar um comentário