Bolsonaro vai a culto de Malafaia e diz que será capacitado por Deus

presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL), disse na noite desta terça-feira (30) ter "certeza" de que não é o mais capacitado para conduzir a nação, mas que, por ter sido escolhido, será capacitado por Deus.

Dois dias após o segundo turno, Bolsonaro participou nesta noite de um culto na Assembleia de Deus Vitória em Cristo, no Rio de Janeiro, cujo presidente é o pastor Silas Malafaia. Ele foi recebido com gritos de "mito" pelos fiéis que assistiam ao culto.
Primeiro, eu quero agradecer a Deus por estar vivo", afirmou, mencionando o ataque a faca que sofreu no dia 6 de setembro, durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG).
"Depois, eu quero agradecer também a Deus por essa missão. Porque o Brasil... Temos uma nação um tanto quanto complicada. Crise ética, moral e econômica. Eu tenho certeza de que não sou o mais capacitado. Mas Deus capacita os escolhidos", declarou.
O presidente eleito discursou por cerca de cinco minutos ao lado de Malafaia, que onze anos atrás celebrou o casamento de Bolsonaro com a futura primeira-dama do Brasil, Michelle Bolsonaro.
"Chorei muito naquele dia", disse Bolsonaro. "E chorei, também, muito depois das eleições. Porque a gente pergunta, às vezes: isso é para comemorar ou é para a gente... Cada vez mais, pensar com mais profundidade o tamanho dos desafios que teremos pela frente?", questionou.
Bolsonaro ainda agradeceu os votos dos fiéis evangélicos e disse que o eleitorado pode esperar, em seu governo, um presidente comprometido "com os valores da família cristã".
Bolsonaro também disse que tinha "de tudo para não chegar" à Presidência –"partido pequeno, sem fundo partidário, pouco tempo de TV, 90% da mídia contra"—e associou sua vitória à escolha do slogan de sua campanha: Brasil acima de tudo, Deus acima de todos.
"Eu só peço aos senhores e às senhoras, nesse momento, como cristão, que continuem, assim como oraram pela minha vida, continuem orando para que possamos, além de ter uma boa equipe do meu lado, termos boas ideias e termos coragem para tomar decisões de modo que nosso povo possa realmente no futuro ser feliz", declarou.
Após o discurso de Bolsonaro, Malafaia disse que Bolsonaro foi eleito com votos de evangélicos, católicos e fiéis de outras religiões e afirmou que concorda com a premissa de que o Estado deve ser laico –mas pontuou, no entanto, que o Estado não é "laicista".
Malafaia também exaltou o poder das redes sociais, um dos meios estrategicamente adotados por Bolsonaro ao longo de sua campanha. "Cada celular é uma emissora de televisão e uma editoria de jornal. Acabou o monopólio da informação

Share on Google Plus

About Correio Gospel

0 comentários:

Postar um comentário