Segundo ABIN, Igreja Católica é potencial opositora ao governo Bolsonaro




O jornal O Estado de S.Paulo publicou neste domingo (10) uma longa matéria onde aponta que a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) encara a Igreja Católica como um potencial inimigo, que seria capaz de fazer oposição ao governo do presidente Jair Bolsonaro.

A avaliação da equipe do presidente é que as lideranças católicas brasileiras são aliados tradicionais do Partido dos Trabalhadores (PT) e estaria se articulando para influenciar debates no interior do País e nas periferias que antes eram dominados pelo partido.





A reportagem vai além, relatado que essa ameaça ao governo Bolsonaro envolveria também o Vaticano, chegando ao papa Francisco que seria visto pela equipe do Palácio do Planalto como alguém capaz de atrapalhar os planos do governo.

No início do ano passado, a CNBB chegou a divulgar orientações aos fiéis sobre as eleições que foram vistas como uma campanha antiBolsonaro.

Os informes da Abin e dos comandos militares brasileiros destacam os encontros recentes de cardeais brasileiras com o papa, no Vaticano, para discutir a realização do “Sínodo sobre a Amazônia”. O evento reunirá, em Roma, bispos de todos os continentes no mês de outubro.
PUBLICIDADE







O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno entende que o Vaticano irá debater, além da situação da Amazônia, temas considerados pelo governo brasileiro como uma “agenda da esquerda”. Entre elas estão a situação de povos indígenas, mudanças climáticas provocadas por desmatamento e quilombolas.

“Estamos preocupados e queremos neutralizar isso aí”, disse o general Heleno, que comanda a contraofensiva. O jornal afirma que os militares do GSI acreditam que os setores da Igreja ligados a movimentos sociais e partidos de esquerda, que fazem parte do chamado “clero progressista”, pretendem aproveitar o Sínodo para criticar o governo Bolsonaro e obter impacto internacional. “Achamos que isso é interferência em assunto interno do Brasil”, reiterou o ministro do GSI.

Além das questões relacionadas à Amazônia, existem outras medidas tomadas pelo governo Bolsonaro que podem entrar em conflito com as convicções da Igreja Católica. Seriam elas a liberação das armas no Brasil e a chamada “licença para matar” e o encarceramento em massa, que fazem parte do projeto apresentado pelo ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro.
Share on Google Plus

About correio gospel

0 comentários:

Postar um comentário